Resenha “Nove Regras a Ignorar Antes de Se Apaixonar”, de Sarah MacLean

Nove regras a ignorar antes de se apaixonar Book Cover Nove regras a ignorar antes de se apaixonar
Sarah MacLean
Fiction
Editora Arqueiro
1 de March de 2016
384

A sonhadora Calpúrnia Hartwell sempre fez tudo exatamente como se espera de uma dama. Ainda assim, dez anos depois de ser apresentada à sociedade, ela continua solteira e assistindo sentada enquanto as jovens se divertem nos bailes. Callie trocaria qualquer coisa por uma vida de prazeres. E por que não se arriscar se, aos 28 anos, ela já passou da idade de procurar o príncipe encantado, nunca foi uma beldade e sua reputação já não lhe fará a menor diferença? Sem nada a perder, a moça resolve listar as nove regras sociais que mais deseja quebrar, como beijar alguém apaixonadamente, fumar charuto, beber uísque, jogar em um clube para cavalheiros e dançar todas as músicas de um baile. E depois começa a quebrá-las de fato. Mas desafiar as convenções pode ser muito mais interessante em boa companhia, principalmente se for uma que saiba tudo sobre quebrar regras. E quem melhor que Gabriel St. John, o marquês de Ralston, para acompanhá-la? Afinal, além de charmoso e devastadoramente lindo, ele é um dos mais notórios libertinos de Londres. Contudo, passar tanto tempo na companhia dele pode ser perigoso. Há anos Callie sonha com Gabriel e, se não tiver cuidado, pode acabar quebrando a regra mais importante de todas – a que diz que aqueles que buscam o prazer não devem se apaixonar perdidamente. Com um texto leve, inteligente e sensual, Nove regras a ignorar antes de se apaixonar levou Sarah MacLean às listas de mais vendidos e foi escolhido um dos dez melhores romances de época do ano pela Publishers Weekly em seu lançamento. “Sarah MacLean é inteligente, sexy e sempre romântica.” – Julia Quinn, autora da série Os Bridgertons “Quando se trata de criar histórias de amor sedutoras e com doses iguais de malícia e sensualidade, Sarah MacLean é insuperável.” – Chicago Tribune “Romances históricos sagazes e apaixonantes.” – Lisa Kleypas, autora da série Os Hathaways

Romance de época? Alguém falou romance de época? Se eu falar que cai de amores por esse livro vai ser pouco para o que eu senti quando o li. Vamos conhecer essas Nove Regras?

Enredo:

Calpúrnia já teve o sonho de se casar, mais após 10 anos esperando esse príncipe que não vem, ela se conforma e aceita seu lugar no espaço reservado para as solteironas.

Contudo isso muda de figura quando num desabafo com o seu irmão, ela resolve quebrar as regras imposta pela sociedade e curtir um pouco mais a vida. Afinal de contas, ser a certinha e dona de uma reputação excelente não a está levando a lugar nenhum.

Então ela cria uma lista com coisas que uma mulher de sua época jamais faria, como fumar, jogar cartas e beijar apaixonadamente alguém. E é aí que entra o nosso galã, Gabriel St. John o marquês de Ralston. Um cara lindo de morrer, charmoso e com uma reputação libertina.

Callie acha que tem que começar com ele, pois tem uma queda por Gabriel e como precisa cumprir o primeiro item da lista, une o útil com agradável e vai até a casa dele no meio da noite. Ela só não esperava encontrar no marquês um cúmplice que lhe ajudaria em sua lista.

Contudo, nada é de graça, não é mesmo? Gabriel resolve pedir um favor em troca de realizar a primeira missão de Callie. Ele precisa urgentemente de uma pessoa com reputação impecável para lhe ajudar numa tarefa difícil, apresentar sua irmã recém descoberta à sociedade.

Com os destinos ligados, ambos vão tentar cumprir a lista e não se deixar levar por nenhum sentimento.

 

Narrativa:

O livro é narrado em terceira pessoa, com leitura leve, divertido, envolvente. Não tinha lido nada ainda da autora Sarah Maclean, mas confesso que apaixonei. É um livro romântico, mas sem ser açucarado demais. E as cenas quentes, ai ai…

Destaque:

Não é um livro arrastado, engoli suas linhas num piscar de olhos. E o fato da protagonista ser fora dos padrões, com o corpo curvilíneo, e como ela foi descobrindo seu poder, sua beleza com a ajuda do mocinho. Apaixonei.

Outro ponto é a capa, gente é um escândalo de tão linda. A Diagramação maravilhosa. Sério rola até uma emoção quando pego um livro feito com esse carinho todo.

Minha Opinião:

Comecei lendo o livro não dando nada por ele, nem sequer tinha lido a sinopse, e a cada linha fui descobrindo um mundo novo, onde vi uma mulher que era menosprezada pelo seu biótipo se tornar a mulher mais linda e disputada pelos cavalheiros da região. Isso sem perder a pose e o glamour.

Se eu gostei disso? Claro que sim né! Mas o mais legal mesmo foi sorrir com Callie, chorar com ela, ficar com o coração apertado, sentir  medo por ela e torcer para que ela e o Marquês ficassem logo juntos.

A família dela é maravilhosa. O irmão que, mesmo não concordando, a ajuda nas loucuras, a irmã que faz de tudo para deixar a Callie feliz, mesmo que para isso precise jogar umas verdades na cara dela.

Ri demais quando ela interagia com o marquês, porque ele sempre perdia as estribeiras com suas atitudes.

Nove Regras está a frente do seu tempo por simplesmente mostrar a vontade de uma dama em querer explorar o que lhe era proibido na época. Sair um pouco da casinha, se embebedar e fazer loucuras! kkkk

Me despertou curiosidade, é lógico, e mal vejo a hora de ler o segundo, pois Nicholas vem aí galera!

 

Ara Robert

Sou viciada em leitura, games, RPG, séries, filmes, gatos, nas minhas filhas e maridão. Meus melhores amigos são meu maridão, minhas filhotas e mami. Sou do tipo que quando ler se apega aos personagens e quando eles morrem eu choro, quando eles são horríveis fico com ódio.

Você Pode Gostar

  • Tainá de Oliveira

    Meio que identifiquei com a Calpúrnia… hahahaha

  • Thamirys

    Eu tenho me apaixonado pelos livros de época que tem me indicado, acho que esse será mais um.

  • Bia

    Estou precisando ler esse livro heheh. Gostei mato da resenha!

Pin It on Pinterest

%d blogueiros gostam disto: