Resenha “Morte Súbita”, de J.K. Rowling

Morte Súbita
J.K. Rowling
Nova Fronteira
23 x 16
512

O livro se passa em um vilarejo fictício da Inglaterra, Pagford. Já no início do livro Barry Fairbrother um integrante do concelho do vilarejo e uma pessoa muito querida por todos- morre, essa "morte súbita" muda completamente o cotidiano dos cidadãos. Já que o falecido deixou uma vacância (vaga) no concelho do vilarejo.

Lendo o livro descobrimos que a vacância não é simplesmente causada apenas pelo falecimento do Sr. Fairbrother, mas também por perdas de entes queridos, de emprego, de autoestima. E que as grandes questões do livro, como a eleição de um novo conselheiro ou as discussões sobre um bairro ou uma clínica para viciados, se tornam irrelevantes em um final muito emocionante e triste.

Por mais que doa no coração de pensar nisso, a série Harry Potter terminou. Pelo menos, nos livros. Ou será que não? Temos um oitavo livro vindo aí (Para noooooooooooosa alegria). Enfim, é hora de partir para outra (isso não vale apenas para as séries, viu, galera) e ampliar novos horizontes. Morte Súbita, The Casual Vacancy no original, é o primeiro romance adulto de J.K. Rowling após o termino de sua consagrada e querida saga do bruxinho de óculos. Uma história completamente diferente do universo mágico de Harry Potter, que pode ser um choque para quem até então estava acostumado com uma leitura infanto-juvenil.

 

Enredo

A história se passa no fictício vilarejo britânico Pagford, cuja a população em sua maioria pertence à classe média alta. Disse maioria, pois um de seus distritos, Fields é composto por famílias pobres, desestruturadas e por usuários de drogas. O bairro ainda possui uma clínica de reabilitação, a Bellchapel, que atende aos viciados da região. A existência de Fields é motivo de discórdia entre os moradores de Pagford: enquanto alguns querem que fechar a Bellchapel e passar a responsabilidade de cuidar de Fields para a cidade vizinha, Yarvil, outros querem que Pagford continue administrando o pobre bairro e que dê mais assistência aos dependentes químicos da clínica de reabilitação. Essa divisão de opinião pública infla ainda mais dentro do conselho que administra o vilarejo e aí que chagamos ao cerne da história. Barry Fairbrother, um dos principais conselheiros e apoiador de Fields, morre subitamente de aneurisma cerebral, deixando não apenas o seu cargo de conselheiro vago, como também causa uma grande comoção em Pagford, onde era uma figura muito presente e carismática no vilarejo. Nesse ponto diante, acompanhamos as disputas de eleição para o novo conselheiro e a vida privada de vários habitantes da pequena Pagford, onde nada é o que parece ser.

 

Capa original do livro. A edição brasileira manteve os mesmo padrões de edição e fontes.

Capa original do livro. A edição brasileira manteve os mesmo padrões de edição e fontes.

 

Narrativa

Morte Súbita não é apenas focada em um único personagem. Sua trama é contada alternando a ótica de vários personagens que de alguma forma estão ligados entre si ou que possuem alguma relação com o falecido Barry Fairbrother. Enumerar todos é difícil, mas vou citar os mais relevantes: Howard Mollison, conselheiro chefe e principal rival de Barry, morador apaixonado por Pagford, onde que nasceu e foi criado e quer ver Fields fora de sua querida cidade; Colin “Pombinho” Wall, vice diretor da escola pública local, tem TOC e era amigo de Barry, tem interesse em assumir a vaga deixada por ele; Parminder Jawanda, médica de família indiana, conselheira e amiga próxima de Barry e que começa a apoiar a candidatura de Colin e Krystal Weedon, uma garota marginalizada de Fields, cuja mãe é uma viciada em heroína e seu irmão mais novo corre o risco de ser levado pelo conselho tutelar, mas que possui um talento em remo e Barry praticamente a apadrinhava. Vale também citar Andrew Pince e sua família, que vive sendo aterrorizada pelo pai autoritário e violento, e Stuart “Bola” Wall, melhor amigo de Andrew e filho de Colin Wall, um garoto rebelde e usuário de drogas que não tem papas na língua.  O livro é divido em seis partes, todas começam com trechos do código “Administração dos Conselhos Locais”, de Charles Arnold-Baker. Os “capítulos” de cada parte são nomeados por dias da semana, em que cada dia é relatado da ótica dos  personagens.

 

Destaque

A narrativa de Morte Súbita já é um destaque em si. É um exemplo do Naturalismo, onde vemos características como o Coletivismo, vários personagens em cena; Determinismo, o homem é fruto do meio, raça ou momento e Patologias sociais, como prostituição, traição, incesto. Acharam familiar? Sim, são características presentes no clássico da literatura brasileira O Cortiço! (Os professores de Literatura mandam lembranças U.U)

 

Minha opinião:

Não escondo de ninguém o quanto sou fã de carteirinha e profunda admiradora de Joanne Kathleen Rowling e nesse romance “pós-Harry Potter” ela não decepcionou: Morte Súbita possui um enredo criativo e intenso, com uma narrativa que pode te prender por várias horas. O fato da história não ser focada em apenas um único personagem nos permite ter vários pontos de vista dentro do cotidiano da pequena Pagford, que por si, pode ser considerada um personagem, mesmo que seja o ambiente em que se passa a trama. Em Pagford, nada é o que parece ser e todos seus habitantes escondem seus “esqueletos no armário”, mantendo imagens de bons cidadãos por fora, mas que dentro de suas casas escondem segredos e intrigas das mais tensas. Morte Súbita pode ser considerado uma crítica social se analisarmos a partir desse sentindo: são ricos entram em conflitos com os pobres, adolescentes com seus pais, esposas com seus maridos. Violência doméstica, tramoias e traição. Pode parecer enredo de novela das 8, mas são situações tão bem construídas que podemos nos identificar com algumas. Podem acontecer dentro do seu ciclo familiar ou na casa do vizinho ao lado. Vemos boa parte dos personagens tentando mascarar seus problemas pessoais numa máscara de falsa moralidade, alguns personagens são completos hipócritas que chega a dar asco de alguns. Exatamente como muitas pessoas na realidade, afinal, há sempre aquela pessoa que adora apontar o dedo para os outros, mas ignora que três apontam para ela, não é mesmo? J.K. retrata essas patologias de forma genial e muito verossímil.

 

J.K. Rowling é muito diva, meu Deus...
J.K. Rowling é muito diva, meu Deus…

 

Para quem ainda está muito acostumado com a narrativa presente na série Harry Potter, pode levar um choque ao pegar o Morte Súbita: há palavrões pesados e várias cenas de sexo e violência explícita. Por mais que vocês estranhem, aqui vai um aviso muito sério: esse é um romance adulto, há cenas bastante fortes e sérias, o livro aborda assunto pesados. Não queiram ficar comparando Harry Potter com Morte Súbita, são dois mundos muito, mais muito diferente entre si. Não é porque são livros da mesma autora que tem que seguir o mesmo estilo. É chato ver um livro tão bom como esse ser duramente criticado por fãs de Harry Potter que querem fazer a proeza de comparar uma história infanto-juvenil de universo fantástico com uma história mais amadurecida, com um mundo real e verossímil. Uma coisa não tem nada a ver com a outra. Eu confesso que me choquei quando li pela primeira vez, nunca imaginaria que a J.K. poderia escrever algo pesado, com cenas de sexo e palavrões mas enxerguei logo que Morte Súbita não é livro de fantasias. Espero que você, que tenha interesse em ler, não se deixe levar por preconceitos. Apesar de ser um outro gênero literário, em Morte Súbita podemos ter o prazer de ver o estilo único e envolvente de J.K. Rowling escrever, uma história que realmente prende. Vale a pena conferir!

 

Poster do seriado baseado no livro. Michael Gambon (Alvo Dumbledore) está no elenco como!

Poster do seriado baseado no livro. Michael Gambon (Alvo Dumbledore) está no elenco como!

 

Em 15 de fevereiro de 2015, Morte Súbita ganhou uma adaptação em um seriado de quatro episódios na BBC de Londres, com o roteiro escrito pela própria J.K. Rowling. Porém, há diferenças crucias entre o seriado e o livro, fico com a versão encadernada mesmo. Mas vale assistir, principalmente porque Michael Gambom, que interpretou nosso diretor preferido nas telonas, Alvo Dumbledore, está atuando na série!

Sinopse

O livro se passa em um vilarejo fictício da Inglaterra, Pagford. Já no início do livro Barry Fairbrother um integrante do concelho do vilarejo e uma pessoa muito querida por todos- morre, essa “morte súbita” muda completamente o cotidiano dos cidadãos. Já que o falecido deixou uma vacância (vaga) no concelho do vilarejo.

Lendo o livro descobrimos que a vacância não é simplesmente causada apenas pelo falecimento do Sr. Fairbrother, mas também por perdas de entes queridos, de emprego, de autoestima. E que as grandes questões do livro, como a eleição de um novo conselheiro ou as discussões sobre um bairro ou uma clínica para viciados, se tornam irrelevantes em um final muito emocionante e triste.

 

Ficha técnica

Título: Morte Súbita

Autor: J. K. Rowling

Editora: Nova Fronteira

Ano: 2012

Idioma: Português

Especificações: Brochura | 512 páginas

ISBN: 978-85-2093-253-7

Peso: 750g

Dimensões: 230mm x 160mm

Preço (sugerido): R$ 49,90.

Tainá de Oliveira

Sou Tainá de Oliveira, carioca da gema e tipicamente ariana! Rata de livraria, meu vício em livros começou já no berço. Jornalista, sonho em escrever livros tão bons quanto os que leio e que possam encantar crianças e adormecer adultos!

Você Pode Gostar

Pin It on Pinterest

%d blogueiros gostam disto: