Resenha “​Sorrisos​ ​Quebrados”, de Sofia Silva

Sorrisos Quebrados Book Cover Sorrisos Quebrados
Sofia Silva
Fiction
Editora Valentina
25 de August de 2017
240

É na escuridão que brilha o amor verdadeiro. Paola: Perante Deus, meu marido prometeu me amar. Cuidar de mim. Ser meu amigo. Perante todos, disse que me amava. Que seríamos felizes. Viveríamos para sempre juntos. Mentiu em tudo. Até que um dia ele me disse que me mataria. E não mentiu. A partir desse dia, vivi escondida no meu mundo, até André aparecer. André: Eu não procurava nada. Não queria ninguém. Não depois de tudo que vivera. Meu coração estava escondido na escuridão, até Paola surgir com suas cores, pintando minha vida. Sorrisos Quebrados é um romance de cores entre duas pessoas quebradas por relacionamentos passados. Uma história de superação dos próprios medos e de promessas.

 


 ​“O​ ​universo​ ​pode​ ​ser​ ​um​ ​lugar​ ​escuro,​ ​mas​ ​basta​ ​uma​ ​estrela​ ​para​ ​ilumina-lo.”


 

Se​ ​tem​ ​uma​ ​coisa​ ​que​ ​esse​ ​livro​ ​me​ ​ensinou​ ​foi​ ​a​ ​ver​ ​a​ ​vida​ ​por​ ​outros​ ​olhos. 

Enredo:

Paola vive uma vida infernal com o seu marido e resolve dar um basta fugindo no meio da noite enquanto ele dorme. Em meio a sua fuga ela acaba sendo descoberta e paga muito caro por​ ​essa​ ​infração.

Seis anos se passam e agora ela vive numa clínica de reabilitação para conseguir tomar as rédeas da sua vida. Na clínica acaba conhecendo André, um pai solteiro que a aterroriza com o seu tamanho monstro, mas que mostrará que, por trás daquele corpo forte, existe alguém tão ferido​ ​e​ ​quebrado​ ​quanto​ ​ela.

Narrativa:


“Às vezes precisamos olhar para as pessoas com os nossos corações e não com os olhos, pois só assim​ ​nós​ ​vemos​ ​quem​ ​realmente​ ​são.”


O livro é contado nas visões de Paola e André e por esse motivo somos transportados para os momentos impactantes e sofridos do livro. As cenas apesar de não contarem tudo que aconteceu com a personagem, provoca agonia. É muito bem escrita, tensa e acaba causando o mesmo impacto em nós leitores, fica impossível não se sensibilizar. Eu nunca havia chorado no primeiro capítulo de livro algum, pois para isso precisa haver algum envolvimento com o personagem, entretanto com Paola a empatia é formada logo de cara e sofremos com ela, sentimos​ ​sua​ ​dor.

A escrita de Sofia é muito objetiva, não enrola no desenvolvimento do enredo e a cada capítulo​ ​fui​ ​bombardeada​ ​de​ ​emoções.​ ​Prepara​ ​a​ ​caixa​ ​de​ ​lenço​ ​que​ ​esse​ ​livro​ ​é​ ​para​ ​chorar.

Destaque:


“Eu acredito que sou um quadro abandonado por alguém que nunca desejou ser pintor. Alguém me pegou quando era uma tela branca e em vez de me pintar com a suavidade dos pincéis,​ ​me​ ​rasgou​ ​com​ ​o​ ​lado​ ​pontiagudo.”


Destaco a história por se tratar de algo que não tinha lido ainda. As pessoas nunca param para pensar como vive uma pessoa que já passou por uma situação de abuso, os seus medos, como se​ ​fecham​ ​em​ ​conchas​ ​com​ ​medo​ ​que​ ​tudo​ ​se​ ​repita.

Sei que já falei, mas o prólogo me chocou. Gente o que foi aquilo? Pude sentir dor claramente conforme​ ​ia​ ​lendo​ ​as​ ​atrocidades.​ ​Que​ ​poder​ ​de​ ​imersão​ ​esse​ ​livro​ ​tem.

As cenas românticas chamaram minha atenção por ser algo diferente, afinal de contas era uma superação da personagem, com toda aquela paixão, entrega, envolvimento que nos faz ter vontade​ ​de​ ​entrar​ ​livro​ ​adentro​ ​para​ ​viver​ ​a​ ​intensidade​ ​do​ ​que​ ​estamos​ ​lendo.

Opinião:

Ara


“Flutuando entre estrelas não tenho mais medo de cair no abismo porque ela nunca largará minha​ ​mão.”


Ler esse livro, para começo de conversa, foi uma aventura, pois iniciei em conjunto com a Débora do blog “Um Livro, por favor?” e Thami nossa resenhista. E a cada capítulo lido, corríamos para o celular para dividir nossas experiências. Todo esse clima intensificou a leitura que​ ​já​ ​era​ ​intensa​ ​nos​ ​fazendo​ ​chorar​ ​em​ ​praticamente​ ​todos​ ​os​ ​capítulos.

A história de Paola foi criada por Sofia, mas infelizmente existe, está nas estatísticas, ela está por aí sofrendo abusos do marido, ou em uma clínica tentando voltar com sua vida, ou até mesmo tentando se apaixonar e ser amada da maneira que merece. Milhares de mulheres vivem uma vida infernal e acreditam que merecem tudo que está passando. Essa história é ótima​ ​para​ ​alertar​ ​quem​ ​está​ ​passando​ ​por​ ​algo​ ​parecido.

A mesma coisa acontece com André. Aquele pai dedicado que não mede esforços para transformar o mundo transtornado da filha num lugar agradável, ​seguro de se está​. Muitas crianças têm suas vidas destruídas por pessoas que só conseguem projetar o mal. Ambos são quebrados, tanto pai quanto filha e merecem uma segunda chance, mas estão fechados demais​ ​por​ ​puro​ ​medo​ ​de​ ​se​ ​ferirem​ ​novamente.

Sol é uma criança adorável, um show a parte. Carrega esqueletos em seu armário que nem deveriam​ ​estar​ ​ali.​ ​E​ ​para​ ​tristeza​ ​nossa,​ ​mais​ ​uma​ ​estatística.

A forma como a autora descreveu Sol, nos faz acreditar que se trata de uma criança mesmo, e não​ ​essas​ ​crianças​ ​que​ ​são​ ​retratadas​ ​em​ ​alguns​ ​livros​ ​como​ ​“mini-adultos”!

Sinto que estou vivenciando uma ressaca literária após do término desse livro, mas não me arrependo,​ ​conhecer​ ​Paola,​ ​André​ ​e​ ​Sol​ ​foi​ ​intenso,​ ​doloroso​ ​e​ ​muito​ ​gratificante.

Sei​ ​que​ ​a​ ​nota​ ​máxima​ ​aqui​ ​é​ ​cinco​ ​mas​ ​“Sorrisos​ ​Quebrados”!​ ​Merece​ ​dez,​ ​definitivamente.

Thami

Posso dizer que depois desse livro não sou mais a mesma, um livro totalmente impactante que me fez refletir muita coisa. Como a Ara comentou acima, somente no prólogo o livro já mexe com​ ​nossas​ ​emoções.

Paola é uma vitoriosa, posso dizer, passou por tantas coisas e mesmo assim ela tenta. Cada dia mais ela tenta se superar e isso acaba nos trazendo um grande exemplo. Por mais que doa, que​ ​sejam​ ​irreversíveis​ ​as​ ​situações​ ​do​ ​passado​ ​siga​ ​em​ ​frente,​ ​tente,​ ​se​ ​esforce.

Depois de seis anos Paola não tinha superado tudo que viveu, e não superou 100% tudo depois mas a cada passo que dava era uma tremenda conquista, tanto seus passos quantos os de André​ ​eram​ ​verdadeiras​ ​vitórias.

Sol fez juz ao seu nome, mesmo com seus problemas e sendo nova, iluminava a vida de todos por onde passava. Sem dúvida desde sua primeira aparição no livro ela me conquistou totalmente.​ ​Um​ ​dos​ ​grandes​ ​destaques​ ​foi​ ​a​ ​escrita​ ​da​ ​personagem.

Ara falou tudo o que senti, então não vou ser repetitiva. Mas um conselho: Antes de ler prepare​ ​bem​ ​o​ ​coração.

Ara Robert

Sou viciada em leitura, games, RPG, séries, filmes, gatos, nas minhas filhas e maridão. Meus melhores amigos são meu maridão, minhas filhotas e mami. Sou do tipo que quando ler se apega aos personagens e quando eles morrem eu choro, quando eles são horríveis fico com ódio.

Você Pode Gostar

  • Bia

    Certeza que vou chorar lendo! Amei a resenha <3

Pin It on Pinterest

%d blogueiros gostam disto: