Especial Bienal do Livro Rio 2017: Novidade na feira dos livros: Arena Geek & Quadrinhos

Além do prazer dos livros, a Bienal sempre tem alguma novidade para agradar os visitantes a cada edição. E sua décima oitava edição não podia ser diferente: a novidade que agradou principalmente os fãs de quadrinhos e do universo geek foi a Arena Geek & Quadrinhos.

Localizada no Pavilhão Verde, bem próxima de sua entrada principal, a arena foi tematizada fazendo referencia as HQ´s e possuía dois espaços: o primeiro era aberto a todo público e a todo momento havia atividades recreativas a todas as idades, as quais vou falar mais profundamente logo em seguida. A segunda era um pequeno auditório, onde aconteciam os bate-papos com temática geek. Para essas atividades, era necessário pegar uma senha até pelo menos uma hora antes de cada sessão. As senhas eram distribuídas em frente a própria arena, o que era bastante confortável para todos os visitantes.

Um ponto muito a favor a esse espaço foi a total acessibilidade a ele. Além das senhas serem distribuídas bem em frente a porta do auditório da Arena Geek, era possível também conversar e tirar fotos com todos os participantes dos bate-papo após cada sessão. Autores como Affonso Solano e Estevão Ribeiro eram presenças marcadas na arena.

Agora um ponto negativo para a Arena foi o fato dela estar bem ao lado de outro espaço que também foi novidade na Bienal, a Arena #SemFiltro. Esta arena, bem maior do que a Geek, tinha uma sonoplastia mais ampla e sonora, os bate-papos de lá aconteciam quase no mesmo horário dos da Arena Geek. Ou seja, quem estivesse em um bate-papo no espaço geek, acabava ouvindo os sons da Arena #SemFiltro, o que incomodava bastante, tanto a plateia, quanto os convidados do bate-papo.

Voltando ao espaço aberto da Arena Geek, era comum a todo momento você encontrar atividades por lá a todo momento. A maioria era voltada para crianças, como a Oficina de Quadrinhos, que ensinava a fazer uma espécie de origami que simulava uma pequena revistinha, onde os participantes podiam desenhar suas próprias histórias em quadrinhos ou recortar quadrinhos de gibis antigos e recriar uma história. Tinha a Oficina de Porções, em que ensinavam as crianças a misturar ingredientes para criar “porções mágicas”, pintura corporal e o Cosmaker, em que cosplayers exibiam seus cosplay e também davam dicas de como montar um também. Era possível também ver cosplayes por toda a Bienal, muitos eram bastante criativos! Essas atividades eram conhecidas como Mundinho Geek, livre para todos os públicos, mas própria para crianças.

Oficina de Quadrinhos para crianças na Arena Geek

Três atividades em especial me chamaram mais a atenção. E o mais bacana delas e que mesmo a Bienal já tendo terminado (#Chorei), vocês ainda podem desfrutar delas em alguns lugares da cidade:

 

Realidade Virtual & Games

Nessa atividade, os visitantes podiam embarcar no mundo da realidade virtual graças Oculus Rift, um equipamento que faz o usuário emergir em um mundo completamente virtual, com imagem e som bastante realistas, sem falar no senso de profundidade, que dá realmente a sensação em que você está dentro de algum lugar fantástico.

Óculos de RV da Arcolab na Arena Geek

Organizada pela Arcolab, empresa de tecnologia nova no mercado, a atividade tinha duas opções de RV: uma que simulava um passeio de trem em mundo encantado, essa própria para crianças pequenas e a outra que era baseada no filme de terror O Rastro, que é de produção nacional e com bastante efeitos especiais. Esse modo nos apresenta ao ambiente sombrio em que se passa o filme. Eu experimentei esse modo e posso de dizer que a experiência me deu uns sustinhos… a ambientação macabra e a sonoplastia arrepiante estavam ótimas!

Além do RV, havia outros jogos para tablet em que crianças podiam jogar

Além do RV, as crianças ainda podiam jogar games para tablet também produzidos pela Arcolab.

 

Jogos De Tabuleiro

Organizado pela hamburgueria Taverna do Dragão, este espaço era destinado aos jogos de tabuleiros. Nada de Banco Imobiliário ou Detetive, aqui você podia jogar o verdadeiro boardgame, como a A Guerra dos Tronos, Duel, Dixie, 7 Wonders e até um jogo inspirado na série O Diário de Um Banana! Para jogar, era necessário reunir uma boa galera e escolher qualquer jogo que estivesse disponível. E caso você não reconhece nenhum jogos expostos, não tem problema, um instrutor auxiliava e mediava cada partida.

Jogos disponíveis na Arena Geek.

A Taverna do Dragão é um restaurante recém criado no Rio de Janeiro, com a temática no universo geek. Além de poder cardápio baseado em hambúrgueres e cervejas artesanais, o restaurante conta com um bom repertório de boardgames para os clientes jogarem enquanto comem. Um lugar que promete agradar gregos, troianos, anões e até elfos! Você pode encontrar a Taverna do Dragão na PromoInfo Barra.

Um instrutor explicava a mecânica de cada jogo e também mediava as partidas

 

Swordplay

Buscando trazer a experiência de um combate medieval, a DK Swordplay, o Clã dos Cavaleiros da Morte, veio para a Arena Geek trazendo o swordplay, a luta de espadas simuladas no estilo dos cavaleiros da Idade Média. Com espadas feitas de espuma e fibra de vidro, matérias que não machucam, os instrutores do DK ensinavam alguns golpes práticos de espada e explicavam quais partes do corpo deveriam ser acertadas para não causar nenhum acidente.

Membros do DK ensinavam alguns golpes básicos e as regras dos combates

Depois da breve explicação, em duplas ou em grupos, lutando contra o colega ou contra os instrutores, começava os duelos. Na Bienal, a DK trouxe dos modos: o Clássico, em que ao bater em certas partes do corpo do adversário, como os braços, peito ou costas dava pontos. Completando dois pontos, vitória. E o modo Carnificina, em que ao levar um golpe no braço ou na perna, o jogador deveria dobrar este membro, como se estivesse sido inutilizado. “Inutilizando” dois membros do oponente, vitória na certa.

Um duelo “Carnificina”

A Death Knight Rio de Janeiro é um clã de swordplay com cinco anos de existência, tendo atualmente mais de 150 cavaleiros, sendo assim, o maior grupo que pratica essa modalidade na cidade. Você pode encontra-los simulando os combates perto do Engenhão ou na Quinta da Boa Vista.

Tainá de Oliveira

Sou Tainá de Oliveira, carioca da gema e tipicamente ariana! Rata de livraria, meu vício em livros começou já no berço. Jornalista, sonho em escrever livros tão bons quanto os que leio e que possam encantar crianças e adormecer adultos!

Você Pode Gostar

  • Aquele momento em que você descobre que não teve tempo de curtir uma parte legal do evento! Adorei a matéria!

Pin It on Pinterest

%d blogueiros gostam disto: