A Era dos Solistas

Annyeonghaseyo!

Hoje em dia é muito comum vermos debuts e comebacks de grupos, tanto os boy groups quanto os girl groups cresceram bastante no cenário do k-pop. São tantos grupos, que boa parte deles não conseguem tanta visibilidade e acabam flopando.

Mas já ouve tempos em que os grupos eram poucos, cada um com seu espaço e público fiel, e o centro dos holofotes eram os solistas. Aqueles idols que são o centro único e exclusivo da atenção dos kpoppers; cantam, dançam, fazem a sua divulgação, todo o conjunto de um grupo, compactado em um único artista.

No cenário atual, já não existem tantos solistas como antes, lá no final da 1ª, e início da 2ª Geração. Claro que hoje ainda temos grandes solistas, como Ailee, Hyuna, Ravi, o excêntrico Psy, e grandes nomes de gerações passadas, como a rainha BoA e Rain.

 

Mas não são tão fortes como já foram outrora. Mas isso não quer dizer que não debutam mais solistas, claro que não, ainda debutam vários, tanto de primeira viagem como a jovem Cha Yoo Ji, conhecida como I, quanto derivados de grupos, como Taeyeon, Tiffany e Seohyun das Girl’s Generation, Taemin do SHINee, Suzy do miss A, todos os cinco membros do Big Bang, entre tantos outros. Porém esses debuts solos de idols que já são consolidados nos seus respectivos grupos, não podem ser contabilizados exclusivamente como solistas, mas sim como uma vertente do trabalho de cada um deles.

 

 

Talvez esses debuts solos, sejam para recuperar a força dos solistas, que já foram as grandes referências e inspirações para tantos outros idols que admiramos hoje. Ou quem sabe a nova tendência do k-pop, a verdade é que está virando algo comum, debuts solos de idols consagrados em seus grupos.


A Era dos Solistas

É natural quando falamos de solistas, lembrarmos de nomes como BoA, Rain, Se7en, Lee Hyori, entre outros, principalmente se você for kpopper antigo. Todos são grandes solistas do início da 2ª Geração, e atualmente já estão com média de 30 anos de idade, o que num mercado que prioriza a juventude, é algo que prejudica na divulgação, ainda mais que, muita coisa mudou dentro do mercado, e eles foram se adaptando para “sobreviver” pelas gerações.

 

No início dos anos 2000, nos primórdios da 2ª Geração, foi uma verdadeira “Era dos Solistas“, isso devido ao fato de que grupos como H.O.T e Sechkies, tinham saído da mídia, e os fãs estavam abertos a “consumir” artistas que mostrassem impacto e força no palco como indivíduo. Com isso, artistas como Rain e Se7en, competiram música por música ganhando seus espaços. BoA se estabeleceu como uma super star internacional, depois de assumir paradas japonesas e se apresentando ao lado de artistas como Britney Spears. MVs como “The Colbert Report“, do Rain, trouxeram visibilidade para o k-pop e deram os primeiros passos no ocidente.

 

 

Outro nome de grande destaque, foi de Lee Hyori, que fez seu debut em 2003, após o disband de seu grupo o Fin.K.L, com o single “10 Minutes“, e imediatamente se tornou um dos grandes nomes do k-pop. Seus singles seguintes, “Toc Toc Toc“, “U Go Girl” atraíram a atenção do público coreano.

 

No final dos anos 2000, cada um dos idols havia divergido um pouco de seus caminhos iniciais. Hyori tentava se manter como solista, enquanto BoA havia feito promoções e sucesso no Japão e tentado repetir o feito nos Estados Unidos, mas não obteve exito. Se7en treinou por alguns anos para estrear em terras americanas, até finalmente lançar o single “Girl“, em parceria com o rapper Lil Kim. Já Rain, participou como ator nos filmes Ninja Assassino e Speed Racer, além de lançar suas canções em inglês.

 

Embora esses e outros solistas ainda estejam ativos, sem tanta divulgação como antes, mas ainda com sucessos e consagrações, suas ausências foram sentidas na Coreia, inclusive algumas duraram anos. Com isso os grupos ganharam força e notoriedade no espaço que antes era ocupado pelos solistas, e assim os fãs abraçaram os grupos, e se vislumbravam com o envolvimento que os membros dos grupos tinham uns com os outros. A dança coreografada, as alterações de vozes durante uma canção, isso era a certeza de que as tendências estavam mudando.

 

O Começo do Fim da Era dos Solistas

No ano de 2010, as promoções americanas de BoA haviam terminado, e suas canções japonesas haviam tido quedas nas vendas, isso devido a mudança de mercado e saturação de k-pop nas terras nipônicas. Mas em contra partida, os fãs fieis e sua base coreana, permaneciam fortes, enquanto ela se aproximava dos novos fãs através de participações em programas musicais, e de variedades.

Se7en, se envolveu em escândalos durante o seu serviço militar, fazendo com que seu contrato com a YG Entertainment fosse rompido, consequentemente manchando sua imagem. O seu comeback de 2016 foi tão mal sucedido que ele teve que reconhecer em entrevistas.

Rain, também viu sua fama ir diminuindo a cada lançamento, resultado das tendências e das preferências dos fãs que havia mudado. Sua presença de palco era inquestionável e adorada, mas as acusações de plágio no single “Busan Woman” e as baixas vendas, inclusive no seu mais recente trabalho “The Best Present“, fizeram sua popularidade diminuir bastante.

Também passando por acusações de plágio, Lee Hyori viu sua carreira se apequenar, a ponto de ficar três anos sem lançar um single que fosse. Em 2006 a canção “Dark Angel“, foi acusada de ser copia de Britney Spears, e em 2010, seu compositor disse ter copiado sete músicas do álbum “H-Logic“. Mesmo com as acusações comprovadas como falsas, o dano a sua carreira já estava feito.

Além dos problemas de acusações, polêmicas pessoais e frustrações em exteriorizar suas músicas, o principal problema da queda de popularidade dos solista, é sem dúvida a mudança de estilos dentro do k-pop. A ascensão dos grupos foi um fator primordial para essa atualidade. É muito mais lucrativo para as empresas, terem vários rostos divulgando sua marca, arrecadando com publicidade e atrairem mais público para seus eventos.

Claro que não se pode vilanizar a existência de grupos, afinal a mudança de gostos gerou isso. O mercado agora é outro, mas seus nomes ainda tem um peso, afinal, BoA por exemplo, é até hoje a rainha do k-pop, e dificilmente perderá a majestade. Hyuna, Ailee, G-Dragon e Psy, também são alguns exemplos de que existe espaço para artistas solo, além de alguns deles terem seus grupos fixos.

Tudo é uma questão de mudança, e se algum dia eles perderem espaço, será como um disband de um grupo amado, seus nomes sempre estarão na história da música e no coração de seus fãs. Porém com tantos debuts solos que estão tendo atualmente, parece que o jogo está virando novamente, vamos acompanhar.

Até a próxima!

Fonte:
allkpop

Igor Cuiabano

Designer gráfico, viciado em séries, animes, mangás e quadrinhos, principalmente Marvel. Ouvinte assíduo de k-pop, sempre uma música pra qualquer momento. Adoro passeios ao ar livre.

Você Pode Gostar

Pin It on Pinterest

%d blogueiros gostam disto: