Crítica: “Star Wars: The Last Jedi”, de Rian Johnson.

Sinopse

Após encontrar o mítico e recluso Luke Skywalker (Mark Hammil) em uma ilha isolada, a jovem Rey (Daisy Ridley) busca entender o balanço da Força a partir dos ensinamentos do mestre jedi. Paralelamente, o Primeiro Império de Kylo Ren (Adam Driver) se reorganiza para enfrentar a Aliança Rebelde.

Minha Opinião

MEU DEUS. QUE FILME INCRÍVEL.

Acabei de assistir The Last Jedi e estou maravilhada com o que vi até agora. Com certeza, é um dos melhores filmes da série, se não o melhor. Mas ainda é cedo para afirmar isso, afinal, ainda vem o episódio IX por aí. Porém, é fato que The Last Jedi é o filme que reafirma o peso que Star Wars representa não apenas na cultura geek, mas na cultura pop em geral.

O filme já começa com uma batalha de naves espaciais frenética, de tirar o folego. Já começa daí um dos melhores pontos do filme que é dar mais profundidade a personagens que não foram bem trabalhados em O Despertar da Força, como o Poe Dameron (Oscar Isaac). Nesse episódio, o personagem ganhou muito mais destaque e muito mais espaço na trama. Aqui, podemos ver porque Poe é considerado o melhor piloto da Resistência, mas vemos também que apesar de um líder carismático dos rebeldes, é também bastante indisciplinado e impulsivo. Há momentos em que você acha o Poe incrível, mas tem outros que você quer dar na cara dele!

Poe Dameron (Oscar Isaac) foi um dos personagens apresentados no filme anterior que ganhou mais espaço neste.

Se nesse filme alguns dos personagens novos que não foram muito trabalhados no filme anterior tiveram mais espaços, outros tiveram muito mais aprofundamento: estou falando de Rey e Kylo Ren. Os dois personagens tiveram muito mais desenvolvimento na trama e os dois atores provaram que foram muito bem escolhidos para carregar o peso da saga em seus personagens. Rey e Kylo tiveram muito mais interação e a química entre os dois foi marcante. Kylo Ren em especial mostrou que não é um apenas um vilão mais esquentadinho, mas que encontrou sua própria identidade. É injusto o comparar com Darth Vader, um dos vilões mais icônicos de todos os tempos. Mas Kylo Ren mostrou que tem potencial para ser um dos vilões mais marcantes da série.

Adam Driver (Kylo Ren) e Dayse Ridley (Rey) se superam neste filme, trazendo muito mais profundidade aos seus personagens.

Um grande ponto que vale ressaltar é a grande melhora na atuação de Mark Hammil na pele de Luke Skywalker. Na primeira trilogia, o ator ainda era muito jovem e muito cru para o papel no qual ficou marcado. Não que o Luke seja um personagem fraco, muito pelo o contrário, mas ao lado de atuações como a de Harrison Ford, a atuação de Mark ficou um pouco apagada. Mas em Last Jedi, tudo mudou. O amadurecimento do ator passou para o personagem. Sinceramente, achava que Luke seria um velho amargurado e resmungão durante todo o filme. Mas queimei a língua. Temos um Luke como Mestre Jedi amargurado e desiludido com a Ordem dos Jedi sim, mas a trama nos mostra exatamente porque Luke ficou assim. E como ele ainda tem muito o que aprender. Porém, o personagem é responsável por certas cenas que nos fazem ficar boquiabertos!

Mark Hammil (Luke Skywalker) teve um refinamento durante os anos, tendo uma ótima atuação

E o que falar de Carrie Fisher como a General Leia Organa? Leve uma caixa de lenços de papel pro cinema, pois o choro é garantido. Uma atuação impecável. De todos os personagens, Leia sempre foi a que teve mais segurança sobre seus ideais em toda a saga. Sua patente de general da Resistência não foi por ser da realeza, mas sim da sua longa experiência em batalhas, claramente demonstrado em The Last Jedi. Vemos uma Leia mais ponderada com o tempo e ciente do seu papel em liderar os rebeldes, pela esperança de toda a galáxia. Mesmo que para isso, ela tenha que fazer dolorosos sacrifícios e ter que lidar com a impulsividade de Poe. Carrie Fisher, nossa eterna Princesa Leia é insubstituível. E que vai fazer muita falta, muita mesmo. Uma atuação digna dessa personagem tão icônica e símbolo de Girl Power por décadas.

CARRIE, PORQUÊ VOCÊ TEVE QUE PARTIR TÃO CEDO???? T.T

De todos os filmes, The Last Jedi é o que mais apresenta plot twist ao longo de toda a trama. Rian Johnson não economizou roteiro, cada ponto de virada mais surpreendente que o outro. O caminhar da trama não perdoa, sempre deixando o espectador tenso de um ponto de virada para o outro, sem medo de ser imprevisível. Temos bastante surpresas que vão nos deixar desde de tremendo de excitação a dar um maravilhoso sentimento de nostalgia. O episódio VIII também é até o momento o mais bonito esteticamente. Efeitos especiais muito bem feitos e cenários muito bonitos, uma fotografia de encher os olhos. As batalhas entre as naves estavam espetaculares e bem coreografas, com tanta explosão que nos deixa bem aflitos.

A batalha no planeta de sal é uma das cenas mais impressionantes!

The Last Jedi é um filme incrível, tão bem detalhado que não dá para descrever tudo aqui, pois estragaria muito a surpresa. Minha dica é evitarem ao máximo spoilers, pois o isso vai estragar muito a experiência. Claro que ficou algumas pontas bem soltas, como a origem do vilão Snoke (Andy Serkis), que ainda não possui muito background. Se o próximo filme irá falar mais sobre o Líder Supremo da Primeira Ordem ou se isso ficará para os livros do universo expandido, só o tempo dirá.

Rose (Kelly Marie Tran) foi uma das novas personagens apresentadas nesse filme, teve um desenvolvimento e uma boa química com Finn (John Boyega)

Mas uma coisa é fato: Star Wars, The Last Jedi, é o filme que agrada muito os fãs fies da série e muito marcante para os novos fãs que estão conhecendo Star Wars agora. Se no Despertar da Força a crítica reclamou muito que da jogada na safezone por parte do roteiro, em Last Jedi, não tem do que reclamar: episódio VIII manteve a identidade da franquia, mas trouxe muita inovação em narrativa, personagens e fotografia. Um filme incrível, surpreendente, com novos personagens carismáticos e que fazem jus ao legado deixado pelos personagens mais antigos, que conseguem reafirmar sua importância e suas marcas em toda a saga. Um filme emocionante do inicio ao fim, muito além das de todas as expectativas já levantadas. Os fãs de longa data vão sair no cinema no mínimo, muito satisfeito e os novos fãs vão ver como Star Wars é simplesmente incrível.

 

Ficha Técnica

Título: Star Wars: The Last Jedi (Original)

Ano: 2017

Direção: Rian Johnson

Estreia: 14 de Dezembro de 2017 ( Brasil )

Duração: 152 minutos

Gênero: Ação, Aventura, Fantasia e Ficção Científica

Países de Origem: EUA

 

Que a Força esteja com vocês!

Tainá de Oliveira

Sou Tainá de Oliveira, carioca da gema e tipicamente ariana! Rata de livraria, meu vício em livros começou já no berço. Jornalista, sonho em escrever livros tão bons quanto os que leio e que possam encantar crianças e adormecer adultos!

Você Pode Gostar

Pin It on Pinterest

%d blogueiros gostam disto: