Crítica: “O Artista do Desastre”, de James Franco.

Sinopse Oficial

Greg Sestero (Dave Franco) se aproxima do excêntrico Tommy Wiseau (James Franco) após uma aula de atuação e os dois desenvolvem uma intensa amizade ancorada no sonho em comum de fazer sucesso nas artes dramáticas. Juntos eles partem para Hollywood, onde Tommy, cansado de ser rejeitado em testes, decide produzir, financiar, dirigir, escrever e protagonizar – ao lado do melhor amigo – o longa-metragem que o catapultará ao estrelato: “The Room”.

 

Minha Opinião

A história de um homem excêntrico e seu melhor amigo sonhador que rejeitados por todos, resolvem criar o próprio filme para conseguir atingir a tão sonhada meta. Um breve contexto para criar um filme no mínimo inspirador, não acha? Mas essa história é bastante real. Baseado no livro homônimo do ator estadunidense Greg Sestero, O Artista do Desastre narra em detalhes o encontro de Greg com o Tommy Wiseau, o bizarro diretor, roteirista, produtor e ator principal do controverso filme The Room (2003).

Acontece que Tommy Wiseau é um cara bastante peculiar: possuindo um visual bizarro de cabelos muito longos e desgrenhados combinado com roupas antiquadas e muito largas, um sotaque do leste europeu que ele insiste em dizer que é da Louisiana e aparentando ter muito mais idade do que ele diz ter, Tommy choca a todos com sua estranha maneira agir e de falar, vivendo em seu próprio mundo, sem se importar em nada com o real, fazendo interpretações que de tão canastronas e galhofas, encontra sua autenticidade. E na interpretação extremamente fiel a esse personagem tão real (acreditem se quiser!) que James Franco revela sua genialidade nesse filme em atua como diretor e ao mesmo tempo como ator principal na pele de Wiseau.

É visível em cada minuto do filme a dedicação que Franco quis dar a retratação dos bastidores de “The Room” e a vida de Wiseau. A primeira vista, parece ser uma paródia, principalmente para quem nunca tinha conhecido Tommy e seu filme, por causa da excentricidade do personagem e as cenas que demonstram situações que de tão bizarras que aconteciam nos bastidores, viram comédia. Mas era realmente assim. Franco mergulhou de cabeça para recriar Wiseau exatamente como ele é na realidade, o tornando um personagem único. Atuação que justifica a premiação de Franco de melhor ator no Globo de Ouro.

A atuação de Dave Franco na pele de Greg Sestero também ficou muito fiel ao ator real que é o melhor amigo de Tommy e praticamente a única pessoa do mundo que consegue compreender seu excêntrico jeito de ser. Durante todo o filme, acompanhamos o amadurecimento de Greg, um homem de boa aparência que sonhava em ser ator, mas sempre sofrendo rejeições até conhecer Tommy, que o ajuda a ter mais espontaneidade no seu trabalho e o leva para morar com ele em sua casa em Los Angeles. Greg passa por apertos ao lado de Tommy, mais é nesse período em que ele mais cresce como ator e como pessoa também.

É dele que vem a ideia de criarem o próprio filme, no qual Tommy se dedica completamente em criar The Room no roteiro e depois o tirar do papel com sua misteriosa fortuna, arcando com as despesas. Greg interpreta Mark, o melhor amigo de Johnny, papel de Tommy. Também é o responsável em apaziguar os ânimos da equipe no set, que tem que aturar as maluquices e cafonices do diretor e ator principal, posição que desafia até mesmo seus próprios ânimos quando Tommy quer interferir até na sua vida pessoal. Uma química que deu certo na realidade e deu certo também em sua representação.

O elenco todo foi muito bem escolhido e de dedicaram ao dar fidelidade aos seus papeis e nas cenas vividas pelas pessoas reais.

Para ver O Artista do Desastre, não é tão necessário assistir o filme original, The Room. Porém, quem nunca tinha visto, vai ter curiosidade de ver. Eu assisti The Room faz alguns anos por indicação de amigos e confesso que foi uma experiência bem… peculiar. The Room é tido como o Cidadão Kane dos piores filmes do mundo, sendo considerados por muito o principal nesse quesito. Porém, de tão mal dirigido, mal atuado, produzido, roteiro sem coesão, cenas com vários erros técnicos, o filme ganhou status de filme cult com os anos, tendo uma legião de fãs fieis e admiradores do jeito único de Tommy Wiseau, odiados por muitos que o consideram um louco, mas amados por outros que o consideram um gênio mal compreendido.

Uma das cenas mais icônicas (e engraçadas) de The Room: à esquerda, a reinterpretação de James Franco; à direita, a cena original de Wiseau,

De tão ruim, The Room é engraçado, não dá para ser levado a sério. Fato que inicialmente magoou seu criador, mas é dessa bizarrice que criou sua fama. Quem tiver curioso, veja para tirar suas próprias conclusões. E se querem ver um filme diferente, engraçado e divertido, mais os mesmo tempo bastante tocante, assista O Artista do Desastre, uma prova que a vida imita a arte e a arte imita a vida.

Essa cena é ao mesmo tempo bem divertida e comovente, quando Tommy vê que seu filme não saiu como ele planejava.

Ficha Técnica

Título: The Disaster Artist (Original)

Ano:2017

Direção: James Franco

Estreia: 25 de janeiro de 2018 (Brasil)

Duração: 98 minutos.

Gênero: Comédia, Drama

País de Origem: EUA

Tainá de Oliveira

Sou Tainá de Oliveira, carioca da gema e tipicamente ariana! Rata de livraria, meu vício em livros começou já no berço. Jornalista, sonho em escrever livros tão bons quanto os que leio e que possam encantar crianças e adormecer adultos!

Você Pode Gostar

Pin It on Pinterest

%d blogueiros gostam disto: