Crítica – La La Land: Cantando Estações

La La Land é aquele filme que veio para provar que o tempo dos musicais não passou e que esse gênero não está esgotado como muitos acreditavam. Esqueça aquelas produções toscas de canais de TV à cabo como muitos dos filmes de adolescentes produzidos pelo Disney Channel, esse filme é digno de uma grande produção da Brodway, e já nasce para se tornar um clássico do cinema.

Fui assistir com muita expectativa (e um pouco de medo) pois já fazem muitos anos que nenhum musical é exibido nos cinemas ou recebe tantos prêmios e indicações. Muitos amigos me recomendaram então me arrisquei e preciso dizer que valeu muito a pena e cada centavo que gastei. É um daqueles filmes que merece ser visto e revisto quantas vezes forem possíveis, e em que cada detalhe é especial da sua própria maneira. Alguns amigos já haviam comentado sobre o diretor (Damien Chazelle) que é o mesmo de Whiplash (que em 2014 concorreu a 5 oscars e levou 3), e precisamos admirar o trabalho extraordinário que ele fez aqui, não só trazendo de volta um musical com grandes proporções cinematográficas, mas também nos entregando essa obra prima. É um filme que todos os amantes de arte, música e cinema deveriam assistir, assim como todas as pessoas que tem a oportunidade de se encantar e quiserem sair do cinema maravilhadas assim como eu.

A fotografia e o uso das cores é impecável em cada cena, o figurino e a ambientação em Hollywood, assim como o Jazz que toca e é citado a todo momento nos fazem muitas vezes confundir se o filme se passa nos anos 80 ou em 2017 (eu me confundi e precisei  parar para reparar no smartphone na mão da protagonista para perceber que era realmente 2017), mas não veja isso de forma ruim, pelo contrário, é mágico como o filme se torna atemporal a medida que se desenvolve.  Além disso, conseguimos notar pequenas referências que nos lembram musicais como “Cantando na chuva” e “Luzes da cidade”, o que torna a experiência ainda mais prazerosa.  A trilha sonora é incrível (daquelas que nos fazem querer chegar em casa e procurar todas as músicas para baixar e ouvir a todo instante),  e cada  detalhe do filme por mais simples que seja torna ele único e especial, mágico. Como se isso não fosse o bastante, a atuação de Emma Stone e Ryan Gosling é fenomenal, o que já rendeu a ambos o globo de ouro de melhor atriz/ator e provavelmente também renderá indicações (e espero que prêmios) também no Oscar, além de outros festivais. Não por acaso, La La Land ganhou  em todas as 7 indicações que concorreu no Globo de Ouro, incluindo melhor diretor, melhor roteiro e melhor canção original por “City of Stars”.

A história se desenvolve em Hollywood, onde os dois personagens principais Mia (Emma Stone) e Sebastian (Ryan Gosling) se encontram e desencontram várias vezes na tentativa de realizar seus sonhos, o dela de ser uma famosa atriz e o dele de abrir um clube de Jazz, e o enredo leva os dois personagens nessa busca, através das dificuldades que a vida acaba apresentando, dos erros, tropeços e a vontade de desistir e se entregar a uma vida mais fácil mas o desafio de continuar acreditando e seguindo seus sonhos.

E o que vocês acharam? Curtiram também assim como eu?

Laura Amorim

Laura Helena, 19 anos, estudante de Artes e Design na UFJF, apaixonada por livros, animes, mangás, doramas, kpop, Owl City, cachorros e desenhos (:

Você Pode Gostar

  • Thamirys

    Não sou muito fã de musical, mas deu vontade de assistir.

Pin It on Pinterest

%d blogueiros gostam disto: