Resenha “A Hospedeira”, de Stephenie Meyer

20504122
Sabe aquele tipo de história que te faz pensar: E se… Bem essa é uma delas. A hospedeira foi um dos livros que li, que teve uma grande introdução, mas totalmente necessária. Este é um tipo de livro que você vai querer discutir sobre, logo após terminar a leitura. Por isso, aconselho você dar de presente a alguém inteligente, para poder conversar e defender seus pontos de vista.
Esse livro pode ser encarado sob camadas diferentes, pois se você não quiser se aprofundar, pode ver apenas como um romance distópico, ou se você quiser entrar em um âmbito mais profundo, pode refletir sobre a complexibilidade da vida na terra, se merecemos ou não viver aqui, mesmo cuidado tão mal de nosso legado. Eu sei, eu sei… parece loucura e perda de tempo, mas acredite o livro vale toda essa discursão.
Vamos a minha opinião então.

1º Enredo:
O mundo foi estragado por nós, e tudo de belo está ameaçado por nossa total incapacidade de cuidar do bem maior que nos foi dado, nosso planeta, algo não muito longe de acontecer.

Então essas criaturas intergalácticas, que vigiam a todos, eles veem potencial em nosso planeta, mas não em nosso povo, e por isso eles se sentem no direito de tomar de nós a nossa Terra. Mas não vem com violência em uma invasão, nada disso, eles são sorrateiros, pois precisam de algo de nós, nossos corpos! Isso mesmo, esses seres de inteligência muito superior a nossa, precisam de nossa carcaça para sobreviver aqui.

Ao longo dos anos, muitos sucumbem a essa força silenciosa, mas existe um pequeno grupo de resistência, que consegue dar trabalho a toda a organização invasora, que hoje já é maioria em nosso planetinha devastado.

É nesse ponto que conhecemos a nossa protagonista Melanie. Sabe aquele tipo de mulher “osso duro de roer”? Bem ela é assim, guerreira até a última ponta, mas infelizmente ela é pega e imagina que será seu fim.

Daí conhecemos a sua “hóspede” Peregrina, um ser de luz, que já passou por muitas experiências, habitando outros corpos em outras vidas. Isso mesmo, aqui estou falando de encarnação, mas no sentido literário, pois, esses seres podem ser transferidos cirurgicamente para outros corpos e viver o resto de vida que o corpo tiver, e depois simplesmente trocar, como se fosse uma muda de roupa.

Após esse processo inicial onde a Peregrina tem que se acostumar com o novo corpo, ela é surpreendida por pensamentos de Melanie. Lembranças de sua vida e amores, coisas importantes para ela, e descobertas interessantes para a causa dos extraterrestres. Estas informações podem levar ao paradeiro dos demais rebeldes, a partir daí, começa uma verdadeira guerra interna, onde o a mente de Melanie, cada vez mais viva, luta com a mente de Peregrina, cada vez mais fascinada por esse novo mundo e emoções.

Esta relação fica intrínseca, até o ponto de elas terem que conviver harmoniosamente para sobreviverem. Isso faz deixa a trama ainda mais interessante.

Sei que me estendi demais, mas é necessário para você entender a origem de tudo.

Hospedeira1CCR2

2º Narrativa:
O livro é contato de uma forma muito introspectiva, característica marcante de Stephenie Meyer, com diálogos internos, que não deixam a história chata, ao contrário do que pode parecer. Na verdade, são essas conversas que tornam a trama interessante, pois assim você conhece bem as motivação que levam os personagens a tomarem suas decisões, por pior que sejam.

E todas as ações são muito bem justificadas, para não deixar nenhuma ponta solta.

3º Destaque:
Como destaque, posso citar alguns pontos. Primeira à persistência da Agente que persegue nossa dupla. Não se preocupem, é totalmente justificada no final. Segundo, a própria trama, que nos faz ter uma montanha russa de emoções. Você fica feliz por cada vitória, chora com as perdas, aprende com as lições dadas a Peregrina. Ou seja, o livro realmente cumpre o que promete.

Se você permitir se envolver, ele te levará a uma viagem emocionante.

Obs. O livro teve uma adaptação aos cinemas, que foi boa, mas não consegue entrar na profundidade do livro (como sempre), mas vale uma sessão da tarde. Não se deixe enganar, o livro é muito melhor, sem sombra de dúvidas.

Outra dica, não se deixe enganar pelo início lento do livro, é totalmente necessário e justificado do meio pra frente.
Reflita se você teria a mesma determinação de nossa protagonista. Dito isso, tenha uma boa leitura.

A-Hospedeira

SINOPSE:
Nosso planeta foi dominado por um inimigo que não pode ser detectado. Os humanos se tornaram hospedeiros dos invasores: suas mentes são extraídas, enquanto seus corpos permanecem intactos e prosseguem suas vidas aparentemente sem alteração. A maior parte da humanidade sucumbiu a tal processo.

Quando Melanie, um dos humanos “selvagens” que ainda restam, é capturada, ela tem certeza de que será seu fim. Peregrina, a “alma” invasora designada para o corpo de Melanie, foi alertada sobre os desafios de viver dentro de um ser humano: as emoções irresistíveis, o excesso de sensações, a persistência das lembranças e das memórias vívidas. Mas há uma dificuldade que Peregrina não esperava: a antiga ocupante de seu corpo se recusa a desistir da posse de sua mente.

Peregrina investiga os pensamentos de Melanie com o objetivo de descobrir o paradeiro dos remanescentes da resistência humana. Entretanto, Melanie ocupa a mente de sua invasora com visões do homem que ama: Jared, que continua a viver escondido. Incapaz de se separar dos desejos de seu corpo, Peregrina começa a se sentir intensamente atraída por aquele humano, a quem foi submetida por uma espécie de exposição forçada.

Quando os acontecimentos fazem de Melanie e Peregrina improváveis aliadas, elas partem em uma busca incerta e perigosa do homem que ambas amam.

FICHA TÉCNICA

  • Editora: Intrínseca
  • ISBN: 978-85-98078-59-5
  • Tradução: Renato Aguiar
  • Lançamento: 2009-10-13
  • Páginas: 560
  • Formato: 16 x 23 cm

Érico Robert

Sou apaixonado por Livros, RPG e Video Games. Minha Família é tudo pra mim, minha alma gêmea (Ara), foi quem me ensinou a gostar de ler e sou eternamente grato a ela. Sou dedicada as minhas filhas, mas adoro os poucos momento em que posso desfrutar de paz e sossego. Diversão é reunir a família e os amigos e cozinhar para eles, enquanto conversamos, assistimos alguns filmes ou batalhamos no RPG!

Você Pode Gostar

Pin It on Pinterest

%d blogueiros gostam disto: